Skip to main content

As vacas mantêm as luzes acesas: biodigestores de metano transformam resíduos em watts

Quando o sol nasce em uma propriedade de bovinos de leite todas as manhãs, acendemos as luzes para começar o dia. Muitos de nós desconhece qual é a origem da eletricidade que ilumina nossas casas ou como ela é produzida. Para muitas casas no vale de San Joaquin, na Califórnia, essa eletricidade está sendo gerada por uma fonte inesperada: esterco de vaca.

Na fazenda Fiscalini, nos arredores de Modesto, Califórnia, Brian Fiscalini e sua família estão praticando produção leiteira sustentável a partir de um biodigestor de metano provenientes de bovinos de leite. O biodigestor de metano converte o esterco produzido pelas vacas leiteiras em eletricidade, ao expor o esterco a altos níveis de calor.

"Temos dois tanques que armazenam esterco de vaca", disse Brian. “Aquecemos esses tanques. Se você pensar em calor e fezes de vaca juntos, produzirá muito gás metano. A única coisa que fazemos é capturar esse gás e canalizá-lo para um motor. Esse motor converte gás metano em eletricidade.”

A eletricidade criada por meio dos biodigestores de metano alimenta toda a operação da fazenda de produção de leite Fiscalini, e muito mais.

"A energia que produzimos fornece eletricidade suficiente para nossa fábrica de queijos, nossa fazenda de bovinos de leite, e a energia que sobra abastece cerca de 300 casas na comunidade", disse Brian. "Também pegamos um pouco desse excesso de calor e aquecemos a água para lavar nossa estrutura de ordenha e nossos equipamentos da fábrica de queijos".

Além desses benefícios impressionantes, nos 10 anos desde que foram instalados, os biodigestores de metano permitiram que as operações desenvolvidas pela Fiscalini reduzissem o uso de propano em cerca de 70%.

Apesar dessas estatísticas notáveis, Brian acredita que as pessoas que moram no subúrbio do vale de San Joaquin podem não conhecer esta interessante fonte de eletricidade.

"Eu aposto que a maioria das pessoas que vive nos arredores da fazenda, nas áreas suburbanas, ficaria muito surpresa ao saber que sua eletricidade, em realidade, vem de uma fonte renovável e era esterco de vaca em um primeiro momento - alimentado por fezes", disse ele.

Para a Fazenda Fiscalini, a sustentabilidade é um compromisso pessoal

Brian e seus colegas de trabalho ordenham 1.500 vacas três vezes ao dia. Uma parte desse leite é usada para criar queijo e produtos lácteos com sua própria marca Fiscalini, enquanto outra parte é vendida à Nestlé para criar leite evaporado e condensado.

A terra em que essa fazenda de produção leiteira opera é cultivada pela família Fiscalini há mais de um século. Embora muita coisa tenha mudado ao longo dos anos, algumas ideias essenciais permaneceram as mesmas.

"Meu bisavô comprou algumas terras em 1914 e começou a ordenhar vacas, e nós tivemos a grande sorte de continuar a produção de leite no mesmo terreno que ele comprou", disse Brian. "Sustentabilidade é uma espécie de palavra da moda ao redor do mundo, mas quando você pensa sobre o conceito dela, percebe que nós somos sustentáveis ​​há mais de 100 anos. Meu avô tinha o desejo profundo de manter essa terra para as próximas mais gerações.”

Brian está comprometido a continuar esse legado e está ajudando a garantir a existência da fazenda, transformando o metano em algo útil.

"Se tivéssemos apenas esse monte de esterco de vaca lá fora e não pudéssemos aplicá-lo à terra, produziria gases de efeito estufa", disse Brian. "O que estamos fazendo é tentar reduzi-los o máximo que pudermos e usar o esterco para outro processo".

Essa transformação do dióxido de carbono em uma fonte positiva de eletricidade pode contradizer um equívoco comum que muitos consumidores têm sobre o setor agropecuário: que é a fonte de uma grande quantidade de poluição. Como agricultor, Brian tem uma maior consciência dessa desconexão entre agricultores e não agricultores, e está trabalhando ativamente para fechar essa lacuna, dissipando alguns mitos antigos sobre quem são e o que fazem.

“Uma das coisas mais desafiadoras sobre o que fazemos é como contamos nossa história.”, analisou Brian. “Então, como posso me conectar com meus vizinhos e informar que ‘ Ei, quando você acordou esta manhã e apertou o interruptor, ajudamos a fazer isso. Fizemos parte desse processo'?".

"À medida que as pessoas se afastam cada vez mais da fazenda, física e emocionalmente, o que nós, como agricultores, precisamos fazer é preencher essa lacuna novamente", continuou Brian. "Precisamos incluir os consumidores no que estamos fazendo. Precisamos que eles saibam o que estamos fazendo. E acho que, se o consumidor médio soubesse que há uma fazenda de gado leiteiro com 100 anos de idade que está convertendo gás metano em eletricidade, provavelmente olharia para os agricultores de uma maneira um pouco diferente.”

Aproveitar a inovação agrícola para um futuro mais sustentável

A fazenda pode ter sido repassada a Brian como empresa familiar, mas ele é extremamente apaixonado pela produção leiteira, tanto como vocação quanto sobre como isso pode impactar o mundo.

"Levo a produção leiteira muito a sério, e acho que a maioria dos agricultores faz isso, porque sabemos que alguém precisa fazer esse trabalho", disse ele. “Todos sabemos que temos uma tarefa muito importante de produzir alimentos de maneira segura para o mundo consumir. Alguém tem que alimentar o planeta, e se não o fizermos, quem irá?

"Acho que temos um belo desafio pela frente", continuou Brian. "Precisamos descobrir como vamos alimentar um mundo em crescimento. Vamos descobrir como fazer isso e então vamos fornecer alguns dos alimentos mais seguros e saudáveis ​​que as pessoas já tiveram acesso. Se não estamos comprometidos com isso, não devemos cultivar. "

Assim como sua própria operação evoluiu usando biodigestores de metano para transformar resíduos em energia, Brian acredita que o setor agrícola pode - e continuará - crescendo, mudando e se tornando mais sustentável, assim como ele acha que todos os setores precisam para se manterem relevante.

“Precisamos continuar inovando. Precisamos continuar contando nossa história usando as plataformas corretas para nos conectarmos com os consumidores”, disse Brian. “Os consumidores vão acabar nos dizendo o que querem. E se não ouvirmos, teremos grandes problemas. Portanto, se o meio ambiente é realmente importante para os consumidores, precisamos garantir que é nisso que estamos nos concentrando. Se a maneira como cuidamos de nossas vacas é importante para os consumidores, precisamos garantir que eles saibam que fomos ensinados desde muito cedo a cuidar de nossas vacas, de nossas terras e do meio ambiente".

Igualmente significante para Brian é o legado de sustentabilidade que deixará para os filhos.

"Acho que, quando ficarem um pouco mais velhos, meus filhos terão uma enorme gratidão ao fato de que: 'Papai não é apenas um fazendeiro. Papai se preocupa com o meio ambiente, ele se preocupa com suas vacas '', disse Brian. "Tenho a intenção de tornar esta fazenda melhor, mais sustentável e mais amigável ao meio ambiente."

Como a família Fiscalini continua sua tradição de mais de 100 anos, eles estão comprometidos em encontrar novas maneiras de melhorar, não apenas para sua fazenda, mas para o bem do planeta.

"Nossa família - talvez seja nossa composição genética - sempre quis experimentar coisas novas", disse Brian. "Não tivemos sucesso todas as vezes. Aprendemos muitas lições, mas acho que é isso que mantém a produção de leite divertida.

"Acordamos, temos novas ideias, queremos experimentar e a intenção de tentar essas coisas é melhorar a fazenda todos os dias", continuou ele. “Melhor para a próxima geração. Melhor semana que vem. Melhor amanhã. Precisamos fazer tudo o que pudermos para continuar melhorando e melhorando as coisas para nosso povo, nossas vacas e nossa terra. Levamos isso muito a sério. E é assim que todos os agricultores são. Estamos comprometidos com isso. É por isso que saímos da cama todos os dias. "

Saiba mais em: https://www.planetofplenty.com/blog/fiscalini-farms-methane-digesters/