Skip to main content

Inverno exige atenção redobrada na aquicultura brasileira

Confira os cuidados necessários nesta época do ano para a produtividade dos pescados

Um manejo inadequado na produção dos pescados durante a época mais fria do ano pode causar estresse e vulnerabilidade aos animais, resultando em maior incidência de doenças, surgimento de parasitas e bacterioses,  podendo também levar a uma redução de apetite. Além disso, alguns fatores na aquicultura ligados não somente ao manejo, mas também a outros fatores controláveis podem afetar todo o desempenho produtivo e saúde dos animais.

Entre os exemplos de desafios não controláveis está a temperatura da água, que tem relação direta com o clima e estações do ano. A maioria dos peixes cultivados no Brasil apresenta ótimo desempenho dentro de uma faixa de temperatura entre 25 e 28ºC, não somente por uma questão metabólica, mas também por aspectos relacionadas à saúde e à resistência.

Durante o inverno,  que pode apresentar temperaturas da água abaixo de 18ºC em algumas regiões brasileiras, o metabolismo animal diminui, afetando o apetite e, consequentemente, o consumo de ração. Além disso, algumas doenças bacterianas, como no caso da Franciselose - causada pela bactéria Gram-negativa Francisella noatunensis ­- que podem surgir em temperaturas entre 18 e 24ºC, estão cada vez mais comuns nas regiões brasileiras.

 

Confira a seguir alguns cuidados que devem ser tomados para evitar perdas com as baixas temperaturas durante o inverno:

Assegure a qualidade da ração – Uma vez que os animais podem reduzir o consumo da alimentação em até 70%, torna-se muito importante o manejo de rações altamente digestíveis, com bons níveis nutricionais e aditivos capazes de auxiliar na resistência animal e evitar o contágio de parasitas e bactérias.

Atenção com o excesso de ração – Não adianta exagerar no trato, pois os animais não vão ingerir o alimento nessas condições. Essa prática só resultará em mais perda e excesso de matéria orgânica para se decompor na água, que ficará poluída e com menor qualidade. Por isso, o reajuste da taxa de arraçoamento é muito importante.

Cuide do manejo – Nesse momento, os animais estão ainda mais frágeis, com o sistema imune suscetível. Sendo assim, vale lançar mão do uso de aditivos nutracêuticos para imunomodularem o sistema de defesa dos animais;

Controle os parasitas – Avalie para prevenir, pois é fato que muitos parasitas podem ser veículo de bacterioses.

Acompanhe periodicamente os animais – Em casos de incidência de doenças faça os tratamentos necessários, sempre com acompanhamento de um bom técnico, zootecnista ou veterinário, para serem trabalhadas doses corretas e período de administração.

E respeite – Nosso país possui climas extremos, o respeito para com as mudanças ambientais e adequações exigidas nestes momentos garantem o sucesso na atividade.

 


Fale com a Alltech para conhecer as melhores soluções para a sua produção aquícola.