Skip to main content

Há muito a ser dito para na busca de equilibrar nossos pontos fortes, e essa é uma mentalidade que Bianca Martins tem adotado firmemente durante sua trajetória de sucesso.

Há muito a ser dito para na busca de equilibrar nossos pontos fortes, e essa é uma mentalidade que Bianca Martins tem adotado firmemente durante sua trajetória de sucesso.

Em apenas 12 anos na Alltech, Bianca foi da área de vendas em 2007 para o cargo de gerente geral do México, que assumiu no início deste ano.

"Não há limites para as mulheres no campo", diz Bianca.

"Mas podemos ver mais sucesso quando as mulheres respeitam suas próprias aptidões naturais".

Bianca é graduada em zootecnia, com MBA em Agronegócio e mestrado em produção e nutrição animal concluído em 1998 e, animada por se desenvolver na carreira, começou a trabalhar em uma empresa de produção de monogástricos em larga escala no Brasil, antes de ingressar na Alltech.

Aproveitando as oportunidades apresentadas para adquirir experiência durante esse período, Bianca passou algum tempo no departamento de premix, bem como com a equipe de pesquisa no laboratório de nutrição animal, bioquímica e patologia de aves.

Bianca recorda que nesta época esta indústria era um ambiente composto, em sua maioria, por homens.

Ela lembra de ter apenas algumas colegas no campo, mas nunca na mesma empresa.

“Curiosamente, nunca tive uma referência feminina no meu trabalho, nem mesmo na área de pesquisa ou finanças, todos eram homens”, diz Bianca.

“Lembro que, no começo da minha carreira no agronegócio, contei mentalmente quantas mulheres encontrei em um congresso nacional que tivemos no ano de 1997.”

“Havia 250 pessoas na sala, mas foi uma tarefa fácil; éramos apenas sete mulheres e eram compostas por quatro nutricionistas internas e três que atuavam no campo com agricultores, e uma delas era eu.

Trabalhando em um setor que, segundo ela, agora é desafiado diariamente a se reinventar e permanecer lucrativo, Bianca dá os créditos àqueles que trilharam o caminho antes dela.

“As mulheres começaram a mudar o campo há mais de 20 anos, quando decidiram estar presentes no agronegócio.”

“As primeiras mulheres do agronegócio tiveram que lutar para ter voz no setor.”

“Vi algumas representantes dessa geração facilitar mudanças extraordinárias na maneira como produzimos alimentos.”

“Tive a sensação de que elas eram gigantes quando eu era jovem, com uma voz forte que exigia muito respeito onde quer que elas decidissem estar.”

"Elas abriram todas as portas para a próxima geração, as quais agora faço parte."

Olhando para o presente e para a indústria do jeito que é hoje, Bianca acredita que a mulher não apenas foi aceita, como também passou a desempenhar um papel importante, mas diferente do papel dos homens.

"Não significa melhor ou pior", continua ela.

“Isso significa que a indústria aceitou homens e mulheres que persigam o mesmo objetivo, trabalhando juntos para alcançar um objetivo comum.”

“Mas vivemos tempos de mudanças sem precedentes.”

"A maneira como vivemos, os relacionamentos familiares, a política, a educação, a comida e as crenças têm mudado tão profundamente nas últimas décadas, dando-nos tantos novos fatores para lidar diariamente."

A comunicação e a tecnologia, afirma Bianca, são fundamentais para isso e se manifestam como alguns dos desafios que enfrentaremos no futuro.

“O agronegócio deve encontrar uma maneira de compartilhar mais informações com os consumidores. A geração atual deseja comer de forma saudável, com menos impacto ao meio ambiente.”

“O gerenciamento e a adaptação dos avanços tecnológicos no campo também precisam de uma organização cuidadosa, em termos de incorporação destes para melhorar a produção e a rastreabilidade exigidas por nossas cadeias de suprimentos.”

“Será revolucionário, por exemplo, se a indústria puder encontrar maneiras de prever uma doença e evitá-la antes do colapso de um sistema, como vimos recentemente com a situação da febre suína africana na China.”

"Os robôs, a block chain e o reconhecimento facial são as novas ferramentas do futuro?"

Com essa mudança em andamento, Bianca sente que a mulher pode se concentrar nos atributos que as diferenciam de seus colegas com vistas a alcançar o sucesso.

“As mulheres são líderes incríveis, com um alto nível de espírito de equipe e guias excepcionais em uma cultura de mudança.”

“Em algumas pesquisas antropológicas de natureza feminina, podemos encontrar proteção e prevenção como comportamentos principais de grupos femininos.”

“Quando um grupo de animais está em perigo na natureza, as fêmeas são as primeiras a alarmar e proteger o grupo, às vezes em detrimento de seus objetivos individuais.”

"Transportando essa ideia para as relações humanas, em qualquer tipo de projeto em que as mulheres possam expressar seu cuidado e respeito à individualidade, elas terão sucesso".

Em um setor que Bianca considera rico em oportunidades, há espaço para indivíduos de qualquer gênero que tenham boa vontade e buscam ter sucesso.

“Repito sempre para os que estão chegando: se você pode sonhar, pode fazê-lo, basta fazer um esforço extra para fazê-lo rapidamente.”