Skip to main content

Pesquisa Global de Rações 2020 aponta queda inédita na produção mundial de rações

Imagem de divulgação da Pesquisa Global de Rações 2020

Os Estados Unidos da América ultrapassaram a China e se tornaram o maior produtor de rações do mundo

A edição de 2020 da Pesquisa Global de Rações estima que a produção mundial de rações para produção animal diminuiu 1,07%, alcançando, ao todo, 1,126 bilhão de toneladas métricas. A queda, se deve, principalmente, à Peste Suína Africana (PSA), que resultou no declínio de ração suína na região da Ásia Pacífico. Dessa maneira, o ranking dos maiores produtores de rações no mundo passou a ser liderado pelos Estados Unidos, pela primeira vez, ultrapassando a China, que aparece em segundo, seguida por Brasil, Rússia, Índia, México, Espanha, Japão e Alemanha. Juntos, esses países respondem por 58% da produção global de rações e possuem 57% das fábricas do mundo – o que pode ser visto como indicador das tendências do agronegócio.

Os números foram apresentados pelo presidente e CEO da Alltech, Mark Lyons, durante painel com transmissão online realizado na sede global da Alltech em Nicholasville, Kentucky.

Os dados globais, coletados em 145 países e correspondente a 30.000 fábricas de ração do mundo, indicam que a produção por espécie foi liderada pelo setor de frangos de corte (28%), seguido pelos suínos (24%), poedeiras (14%), bovinos de leite (12%), bovinos de corte (10%), outras espécies (6%), aquicultura (4%) e pets (2%). O crescimento veio predominantemente dos setores das poedeiras, de frangos de corte, da aquicultura e dos pets.

Resultados regionais da edição de 2020 da Pesquisa Global de Rações

  • América do Norte: os EUA ultrapassaram a China e se tornaram o maior produtor mundial de rações com aproximadamente 214 milhões de toneladas métricas (MTM), sendo bovinos de corte (61,09 MTM), frango (48,53 MTM) e suínos (44,86 MTM) como espécies líderes. A América do Norte apresentou crescimento de 1,6% ano passado. O Canadá produziu 21,6 MTM, sendo suínos (8,23 MTM), frangos (3,25 MTM) e bovinos de leite (4,2 MTM) as espécies que lideraram em volume de produção.

  • América Latina: como região, a América Latina cresceu 2,2% com 167,9 toneladas de rações. O Brasil se manteve como produtor líder da região e o terceiro maior do mundo, com predominância de produção de rações para frangos de corte (32,1 MTM) e suínos (17 MTM). Brasil, México e Argentina continuam produzindo a maioria das rações da América Latina, sendo responsáveis por 76% de toda a produção.

  • Europa: o continente europeu se manteve relativamente estagnado, apresentando crescimento leve de 0,2% durante o último ano. Os três países produtores mais expressivos da Europa são Rússia (40,5 MTM), Espanha (34,8 MTM) e Alemanha (25 MTM), com ração destinada a suínos liderando a produção nos três países. O setor dos ruminantes levou o maior impacto, já que os dados dos bovinos de leite e corte estimaram baixas de 4% e 3%, respectivamente. Isso foi decorrente principalmente do crescimento nas indústrias de aquicultura (7%) e de poedeiras (3%).

  • Ásia Pacífico: a região da Ásia Pacífico apresentou declínio de 5,5% na produção em 2019, devido principalmente à Peste Suína Africana e consequente declínio na produção de suínos. A produção de rações da China caiu quase 20 MTM, atingindo 167,9 MTM, o que acarretou em sua saída do topo da lista dos produtores globais de rações, aparecendo atualmente em segundo lugar, atrás dos E.U.A. Índia e Japão continuam entre os nove maiores produtores globais de rações, com dados similares aos da pesquisa relativa a 2019 com 39 MTM e 25,3 MTM respectivamente, enquanto o Vietnã apresentou declínio de 7%.

  • África: o continente africano continua com forte crescimento apresentando aumento de 7,5% na produção de rações, com todas as espécies apresentando crescimento. Os cinco maiores produtores de rações do continente são responsáveis por 75% da produção de ração africana e são eles África do Sul, Egito, Nigéria, Marrocos e Argélia. As espécies líderes da região incluem frango, poedeiras e bovinos de leite que, juntas correspondem a aproximadamente metade de toda a produção de rações.

Resultados da edição de 2020 da Pesquisa Global de Rações para principais espécies

  • Suínos: A produção de ração para suínos foi amplamente afetada pela Peste Suína Africana, apresentando 11% de queda. A maior produtora de ração para a espécie continua sendo a região Ásia Pacífico, mas ela também apresentou a maior queda na produção, 26%, com China (-35%), Camboja (-22%), Vietnã (-21%) e Tailândia (-16%) apresentando grandes declínios. Europa, América do Norte e América Latina se mantiveram relativamente estáveis em relação ao ano passado, com pequenas taxas de ganhos ou perdas. Mesmo o continente africano sendo pouco representativo na tonelagem para alimentação de suínos, ele demonstrou o grande crescimento de 29%.

  • Na avicultura, a região da Ásia Pacífico é a líder de produção de alimentos para ambas espécies: frangos de corte  (115,2 MTM) e poedeiras (73,1 MTM). Na América Latina, a produção total de ração para frangos subiu para 60,8 MTM, apresentando Brasil como líder regional com 32,1 MTM, seguido pelo México com 10,5 MTM – sendo que a produção mexicana de ração para poedeiras subiu 11% atingindo 7,05 MTM e ultrapassando o Brasil em termos de crescimento. A Rússia lidera o continente europeu, apresentando 10,86 MTM do total regional de 56,3 MTM de ração para frangos de corte e 5,3 MTM do total regional de 33,5 MTM de alimento para poedeiras. Na América do Norte, os EUA. são responsáveis por 94% da produção de ração para frangos de corte com 48,5 MTM, enquanto a produção canadense de ração para poedeiras cresceu em 0,46 MTM.

  • A Europa lidera a produção de ração para bovinos de leite com 34%, seguidos pela América do Norte (21,8%), Ásia Pacífico (17,6%) e América Latina (15,3%). Os maiores produtores de ração para a espécie são Turquia (6,5 MTM), Alemanha (5,2 MTM), Rússia (4,2 MTM), Reino Unido (3,8 MTM), França (3,4 MTM), Países Baixos (3,3 MTM) e Espanha (3,2 MTM).

  • América do Norte continua liderando globalmente a produção de bovinos de corte com 62,3 MTM, seguida por Europa (21,9 MTM) e América Latina (13,9 MTM). Na edição 2020 da Pesquisa Global de Rações, a produção de ração para bovinos de corte foi recalculada para aumentar sua precisão. A nova estimativa leva em consideração a média de dias de alimentação e ingestão como porcentagem do peso corporal em confinamento. A estimativa da edição do ano passado também foi recalculada pela mesma fórmula para permitir uma comparação satisfatória.

  • O mercado de rações para aquicultura apresentou, em geral, crescimento de 4% em relação ao ano passado. Por tonelada, a região Ásia Pacífico foi a que mais cresceu com adicional de 1,5 MTM. Os maiores produtores foram China, Vietnã e Bangladesh. A queda da produção na Europa é decorrente da diminuição dessa produção na Rússia, devido ao crescimento de importação.

  • O setor de petfood apresentou crescimento de 4%, sendo que as regiões que mais cresceram foram Ásia Pacífico (10%), Europa (3%) e América Latina (6%). Os países com maiores crescimentos foram China, Indonésia, Portugal, Hungria, Equador e Argentina.

Durante o painel online sobre o assunto, Mark Lyons contou com a presença de especialistas da indústria, incluindo Jack Bobo, CEO da Futurity (EUA); Matthew Smith, vice-presidente da Alltech UK (Reino Unido) e Bianca Martins, gerente geral da Alltech México e Brian Lawless, especialista em Ag-Tech da Alltech EUA. O grupo discutiu as tendências por trás dos dados e suas implicações no mercado mundial. Os tópicos variaram de demandas do consumidor até a adoção de novas tecnologias.

Para acessar os resultados da edição 2020 da Pesquisa Global de Rações, incluindo gravação do painel de debate, mapa interativo e apresentação de slides, acesse: alltechfeedsurvey.com.

A Pesquisa Global de Rações 2020 foi realizada durante o último bimestre de 2019,  por meio de informações coletadas pela equipe de marketing e vendas da Alltech mundialmente através das parcerias com cooperativas locais, associações, instituições públicas ligadas à produção e à comercialização de rações . É uma estimativa importante para os setores público e privado interessados na indústria.