Skip to main content

Sem desperdício: criação de insetos para o futuro da proteína sustentável

Localizada a apenas 10 pés abaixo da London Bridge, a quarta estação ferroviária mais movimentada da Inglaterra, a Entocycle é uma iniciativa de vanguarda inserida em uma revolução agrícola sustentável. Não é nada como uma fazenda tradicional: pequena, urbana e, mais incomum, dentro de casa. Mas, esse espaço acolhedor no centro da cidade abriga um rebanho de milhares que pode mudar a maneira como vemos a produção sustentável de proteínas.

Você pode perguntar: “Que tipo de sistema agrícola poderia operar sob essas condições?” A resposta é a criação de insetos.

A Entocycle é uma criação de Keiran Whitaker. Engenheiro ambiental, Keiran viu os benefícios potenciais para a agricultura e criação animal provenientes do cultivo de proteínas de insetos. Combinando os processos inerentes à natureza com tecnologias pioneiras, a Entocycle acessa um recurso inexplorado que pode ser vital para o futuro do nosso planeta.

Sua produção gira em torno do cultivo de moscas soldado-negra, que os guerreiros nativos americanos costumavam usar para limpar suas feridas após as batalhas. De certa forma, Keiran está fazendo algo semelhante em sua luta pela sustentabilidade, ajudando a curar a cadeia alimentar com essa proteína alternativa.

Uma vocação de infância

Para Keiran, a ideia de trabalhar rumo a um futuro mais sustentável nunca foi uma condição que ele teve que considerar. Isso já estava dentro dele desde pequeno.

“Desde o meu primeiro dia de via, moro em uma casa onde reciclamos, compostamos, apagamos as luzes e fechamos a torneira”, explica Keiran.

Em entrevista ao podcast Alltech AgFuture em 2018, Keiran descreveu como testemunhou em primeira mão o efeito que os seres humanos estão causando no planeta. Isso o inspirou a agir.

"Trabalhei no sudeste da Ásia, América Central e América do Sul e morei  aqui na América do Norte por algum tempo", disse Keiran. “Em quase todos os lugares que fui, especialmente nos países em desenvolvimento, as florestas tropicais estão sendo derrubadas; nossos recifes de corais estão desaparecendo - nem mesmo morrendo, estão apenas desaparecendo - e nossas populações de peixes são inexistentes.”

A dura realidade do que estava acontecendo ao seu redor convenceu Keiran a voltar ao Reino Unido e começar a trabalhar. Agora, por pura energia e determinação, ele foi pioneiro em uma nova maneira de abordar os problemas crescentes resultantes do consumo global de proteínas.

Para fornecer ao gado uma dieta nutritiva, a produção agrícola mundial tem atualmente priorizado a proteína de origem vegetal (como a soja) ou para a proteína de peixe. Porém, cada um desses recursos naturais vem com uma carga de problemas.

A produção de soja está, predominantemente, nas Américas do Norte e do Sul. Para atender à demanda global, mais terras agricultáveis precisam ser utilizadas, o que leva ao desmatamento de áreas de florestas nativas, incluindo a floresta tropical. Até o transporte do produto ao redor do mundo tem sua própria carga de carbono.

O uso de proteína de peixe também tem um sério efeito quando se trata de sustentabilidade. Grande parte dessa proteína é colhida do krill, um recurso no nível mais básico da cadeia alimentar do mundo. Ao usar esses estoques, causamos um efeito dominó que repercute no restante da cadeia alimentar, podendo acarretar em mais problemas para a nossa qualidade de vida a longo prazo.

Vida de inseto

No entanto, a Entocycle descobriu que os insetos são uma fonte mais viável de proteínas, satisfazendo as necessidades globais sem os efeitos adversos causados pelas demais. Seu pequeno insetário interno contém seis gaiolas de 2 mil moscas por gaiola. Cada fêmea deposita de 500 a 900 ovos, que são coletados e eclodem dentro de dois a três dias. Depois de 12 dias, as larvas crescem parecendo, nas palavras de Keiran, a "uma barra de proteínas de 2,5 cm". Depois, são secas e esmagadas. O produto final é uma farinha com 55% a 60% de proteína pura. A Entocycle usa 95% das larvas para produção de proteínas. Os 5% restantes são criados até a maturidade, repovoando a colônia e iniciando o ciclo novamente.

Foi essa engenhosidade que levou a Entocycle a conquistar uma vaga no The Pearse Lyons Accelerator em 2018. Ideia do falecido Dr. Pearse Lyons, fundador da Alltech, o programa de startups é desenvolvido em conjunto com o Dogpatch Labs em Dublin, na Irlanda.

E o desperdício vira história

Outra questão que Keiran se propôs a abordar, não apenas nas práticas de produção animal, mas globalmente, foram resíduos desnecessários. Os números da ONU mostram que atualmente estamos desperdiçando 1,3 bilhão de toneladas de alimentos por ano. Isso também é algo que Keiran vem abordando desde jovem.

"Se você perguntar a alguém que me viu comer, nunca há sobra de comida no meu prato", diz Keiran. “Foi assim que me ensinaram. Termine tudo no seu prato, porque tem muito esforço em toda essa comida.

“Então, se você observar a história que está por trás - chegando ao seu prato, entregando no supermercado e depois cultivando - a história dessa comida é tão longa que, se você acabar jogando fora esses 30% - que é o que estamos fazendo globalmente -, isso é horrível ”, continuou ele.

Com esses problemas em mente, Keiran começou a procurar uma solução que não apenas atendesse à necessidade de proteína do agronegócio global sem prejudicar o planeta, mas que também pudesse realmente ajudar na redução do desperdício. Ele procurou inspiração na natureza. O que ele descobriu foi uma maneira de não apenas estabelecer uma fonte inesgotável de proteína, mas fazê-lo de uma maneira que não gerasse desperdício.

"A natureza não tem nenhum desperdício", explica Keiran. “A maçã cai da árvore, o verme come a maçã, o pássaro come o verme e assim vamos subindo na cadeia alimentar. Isso é o que fazemos na Entocycle. "

Em vez de maçãs, as larvas da Entocycle se alimentam de cerveja e resíduos de café de origem local, consumindo 1,5 toneladas ao longo de uma semana. No processo de digestão desses resíduos, elas excretam um composto, que segundo Keiran tem potencial para ser usado como fertilizante alternativo. Ele se refere a ele como "um subproduto da natureza".

Um sistema para alimentar o futuro

Embora a ideia de comer insetos possa não parecer uma boa ideia para muitas pessoas, os benefícios são inegáveis. A Entocycle desenvolveu um sistema agrícola verdadeiramente sustentável. É completamente independente, dependendo apenas de si mesmo para continuar funcionando. Não deixa impacto negativo no mundo. Pelo contrário, a única coisa necessária de nós é o material que desperdiçamos, e até isso é transformado em algo que beneficia o planeta.

Possivelmente, o principal aspecto desse sistema é que ele pode ser implementado em qualquer lugar, a qualquer momento, conforme comprovado por sua sede no centro de Londres.

"Essa tecnologia pode ir literalmente a qualquer lugar, seja nas regiões árticas do norte da Suécia até o deserto do Saara", diz Keiran. "Não importa se há El Niño, La Niña, seca ou enchente. Podemos produzir o mesmo, durante todo o ano.

"A agricultura tradicional passará apenas por estações", continua Keiran, "e isso é normal. Essa é a natureza. Este agora é um novo futuro.”

Keiran admite que o trabalho da Entocycle provavelmente será usado para complementar as técnicas agrícolas tradicionais, em vez de substituí-las completamente. Mas ele acredita que a mudança está chegando e serão empresas como a dele que irão liderar o caminho.

"Estamos passando por uma enorme revolução agrícola", afirma Keiran. "Eu costumo dizer que os engenheiros de hoje serão os agricultores de amanhã."