Skip to main content

COVID-19: o que o consumidor precisa saber na hora das compras

Consumidora no supermercado

Uma alimentação saudável e equilibrada é importante para manutenção da sua saúde, portanto escolha alimentos que auxiliem no fortalecimento do seu sistema imunológico e higienize-os corretamente. Estes são importantes fatores a serem seguidos durante o período da quarentena.

O que é a COVID-19?

 A COVID-19, causada pelo coronavírus, é uma doença respiratória. Ela foi identificada pela primeira vez na cidade de Wuhan, na China, e que vem se disseminando, mundo afora, nos últimos meses.

Posso me contaminar com alimentos?

Segundo a Agência Europeia de Segurança Alimentar (AESA) ainda não há evidências de transmissão por alimentos a humanos, mas cuidados devem ser tomados. Então valem as orientações de higienização regular das superfícies que entram em contato com os produtos, e das embalagens dos mesmos. O uso de álcool, água e sabão, e água sanitária está sendo amplamente incentivado para a manutenção da higiene nas cozinhas e outros cômodos (pisos, superfícies e objetos). Uma cozinha bem higienizada evita contaminações cruzadas e mantém a segurança dos seus alimentos.

Produtos enlatados e embalados são mais seguros?

A escolha por produtos embalados dá a sensação de estarmos mais protegidos, mas vale lembrar que mesmo os produtos frescos in natura também podem ser consumidos sem medo, desde que sejam higienizados ao chegarem em casa. Esse é o caso das frutas, legumes e verduras que devem ser guardadas já higienizadas, podendo seguir o processo normal de assepsia tanto falado: água e sabão para os que se aplicam. Para as verduras que são consumidas cruas, a diluição recomendada é de 1 colher de água sanitária para cada litro de água, deixando 15 minutos de imersão e enxágue depois.

Devo evitar algum alimento?

Até a data do compartilhamento deste texto, não se conheciam restrições oficiais, porém, além dos cuidados que devem ser tomados com frutas, verduras ou alimentos crus, no caso das carnes também existem dicas importantes. É importante que todos os produtos de origem animal sejam bem cozidos e manipulados de forma higiênica, para poderem ser ingeridos de forma segura. Ou seja, o consumo de carne mal passada ou crua deve ser evitado e o armazenamento e transporte devem ser feitos de acordo com as regras básicas de higiene e acondicionamento, como o controle rigoroso de temperatura.

Manter o sistema imunológico com bom funcionamento, pode impedir o desenvolvimento de doenças e/ou minimizar os sintomas e ajudar no processo de recuperação, combatendo agentes externos que podem nos causar as infecções. A nutrição desempenha papel fundamental no fortalecimento de sua imunidade.

O que diminui minha imunidade?

  • Dietas ricas em açúcares, pois interferem na capacidade das células de defesa em destruir as bactérias.
  • Consumo de álcool em excesso.
  • Consumo de gorduras saturadas em excesso, por reduzir a atividade das células protetoras.
  • O estresse pode debilitar nossas defesas, aumentando as chances de infecções. Por isso, controlar o estresse é fundamental.

Como minha alimentação pode ajudar na melhora de minha imunidade?

Existem alguns nutrientes que, em especial, exercem papéis diretamente relacionados a esta função:

  • Vitaminas A, C e E - são vitaminas antioxidantes que atuam na produção das células de defesa como os linfócitos e anticorpos. FONTE ALIMENTAR: cenoura, mamão, gema de ovo (A), laranja, limão, acerola, espinafre (C), abacate, mamão, amêndoas (E).
  • Vitamina D – Além de estar sendo considerada como hormônio, é uma vitamina lipossolúvel que atua na regulação e controle da imunidade inata e adquirida – FONTE ALIMENTAR: carnes, peixes, leite e ovos.
  • Ômega 3 - ácido graxo essencial que atua na produção de anticorpos e células de defesa NK. FONTE ALIMENTAR: salmão, atum, sardinha, sementes de chia e linhaça.
  • Selênio - também atua como antioxidante. Sua deficiência pode agravar quadros de infecção viral. FONTE ALIMENTAR: castanha do Pará, farinha de trigo, nozes, produtos enriquecidos com fontes de selênio.
  • Zinco - micronutriente essencial para o sistema imune, sendo importante na maturação e diferenciação dos linfócitos T. FONTE ALIMENTAR: ostras, mariscos, feijão. 

Uma alimentação equilibrada, com ofertas de frutas, legumes, boas fontes de carboidratos, proteínas e gorduras, associados com uma boa qualidade do sono e prática de  atividades físicas simples,  dentro de casa mesmo, irá ajudar na manutenção da saúde física e psicológica, mantendo níveis hormonais adequados (cortisol e insulina, por exemplo) e minimizando episódios compulsórios e de ansiedade.

Como a COVID-19 é espalhada?

O vírus está se espalhando de pessoa para pessoa,  através de gotículas respiratórias que são expelidas quando uma pessoa infectada tosse ou espirra próximo a outras. Também é possível contrair a COVID-19 tocando em uma superfície que hospede o vírus e, em seguida, tocando sua boca, nariz ou olhos. A atenção deve ser total com as vias respiratórias, mucosas de nariz, boca e olhos. Uma característica da COVID-19 é sua rápida disseminação, sendo por isso indicado o isolamento social. Evite ir aos supermercados sem necessidade, se for necessário, faça uma lista de compras para ficar somente o tempo necessário e vá apenas uma pessoa da família.

Quais são os sintomas da COVID-19?

Pacientes com a COVID-19 experimentam problemas respiratórios leves a graves, principalmente com os seguintes sintomas:

  • Febre.
  • Tosse. 
  • Falta de ar.

Existe uma vacina para a COVID-19?

Ainda não há vacina para proteger contra a COVID-19. A melhor maneira de prevenir a contaminação é tomar medidas preventivas diárias, como:

  • Lave as mãos frequentemente com água e sabão;
  • Use álcool gel 70%, principalmente após tossir ou espirrar, depois de cuidar de pessoas doentes, ir ao banheiro e também antes/depois de comer;
  • Ao tossir ou espirrar, cubra a boca e o nariz. Evite usar as mãos, prefira usar os braços ou um lenço descartável que deve ser jogado no lixo imediatamente após o uso. Lave as mãos na sequência;
  • Evite o contato próximo com pessoas com tosse e febre;
  • Procure um médico caso comece a apresentar sintomas como febre, tosse e dificuldade de respirar.

Há tratamento?

Até o momento da publicação deste artigo, de acordo com a ANVISA, não existem estudos conclusivos que comprovem o uso de medicamentos para o tratamento da COVID-19. Pessoas com sintomas indicativos ou testadas positivo para a COVID-19 devem procurar auxílio médico. Não compre e nem tome medicação sem prescrição médica.

Saiba mais: https://coronavirus.saude.gov.br/

 

Autoras:

Patricia Lambert dos Santos

Nutricionista pela Universidade Nove de Julho, é pós-graduada em Vigilância Sanitária de Alimentos pela mesma instituição. Com mais de 10 anos de experiência no segmento de varejo de alimentos na área de controle de qualidade, é coordenadora de controle de qualidade no grupo Multivarejo GPA.

Luciana Lacerda

Zootecnista formada pela Unesp, atuou por 10 anos na inspeção de pescados de uma das maiores redes varejistas do país, contribuindo também com a inspeção da cadeia frigorificada, principalmente com produtos de origem animal. Ministra cursos voltados para a inspeção de parasitas em pescado, de acordo com o memorando circular 02/2018, além de auditar processos internos em indústrias de acordo com os requisitos da ISO 9000.


Dúvidas ou comentários? Entre em contato conosco: