Skip to main content

Alerta na soja: período de chuvas aumenta disseminação de patógenos

Lavoura de soja sob chuva

O Brasil é hoje o segundo maior produtor de soja do mundo, com excelentes resultados em produtividade. Este desempenho de destaque no cenário internacional é resultado de uma soma de fatores, tais como: clima normalmente favorável, investimento em pesquisa, e a adoção de tecnologias de ponta.

Nesta safra, já contamos com milhares de hectares de soja plantados e em várias fases de desenvolvimento. Em algumas regiões, o plantio ocorre mais cedo e em outras mais tarde. No entanto, todas as regiões estão sujeitas a adversidades que podem atrapalhar e até comprometer a produtividade das lavouras.

Um dos desafios que os produtores estão enfrentando neste ano é o excesso de chuvas. Desde novembro passado até este início de janeiro, elas têm sido constantes e em grandes quantidades, cenário que pode acarretar sérios prejuízos ao produtor.

Se já é comum o surgimento de algumas doenças durante o ciclo da cultura, agora com um período longo de chuvas fortes e constantes, a tendência é aumentar a velocidade de disseminação de patógenos. Por isso, os produtores devem entrar em estado de alerta, com atenção redobrada na saúde das lavouras.

Um bom manejo da área cultivada, visando evitar perdas excessivas por doenças, inclui não apenas o controle fitossanitário, mas também o cuidado com a nutrição. Plantas bem nutridas e equilibradas são mais resistentes à incidência de doenças. Uma prática muito indicada tem sido a associação de soluções nutricionais ao manejo fitossanitário para prevenção e controle de doenças. A nutrição faz a parte de fortalecimento das defesas naturais das plantas, enquanto os fitossanitários são a barreira de entrada das doenças nas plantas.

É importante ressaltar que em períodos de adversidades climáticas toda atenção é necessária para a manutenção da produtividade de uma lavoura e consequente retorno do investimento. Seja excesso de chuva ou de sol, a parte nutricional das plantas deve sempre ser levada em consideração para a expressão do potencial produtivo das plantas.


Dúvidas ou comentários? Entre em contato conosco: